Os bancários de São Paulo e Osasco entraram hoje (8) em greve por tempo indeterminado. Eles reivindicam aumento real de salários de 5%, além da correção inflacionária de 7,15%.

Os bancários de São Paulo e Osasco entraram hoje (8) em greve por tempo indeterminado. Eles reivindicam aumento real de salários de 5%, além da correção inflacionária de 7,15%. Segundo o sindicato da categoria, a idéia é mobilizar os trabalhadores, inicialmente, em manifestações na região central e na Avenida Paulista. Além disso, as lideranças pretendem paralisar segmentos estratégicos como as áreas de sistemas do Bradesco, onde trabalham em torno de 2 mil empregados, e do Unibanco, com 3,5 mil empregados.

 A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) ficou de emitir uma nota sobre a paralisação até o final da manhã. Além de aumento dos salários, os bancários querem a valorização do auxílio-creche, atualmente no valor de R$ 415, do vale-refeição de R$ 17,50 por dia, além da participação nos lucros e resultados das instituições. 

Por nota, o presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região, Luiz Cláudio Marcolino, afirmou que “os banqueiros empurraram os trabalhadores da mesa de negociação à greve”, referindo-se à oferta limitada a 7,5% de reajuste.