Assim descobri o naturalista e empreendedor Paulo Nogueira Neto…

309

No começo dos 2000, conheci em Curitiba Paulo Nogueira Neto, professor da USP, biólogo, ambientalista, empresário de alto coturno, um dos poucos brasileiros reconhecidos internacionalmente por seu papel em defesa da Natureza, do meio ambiente e de tudo que signifique, de fato, preservação ecológica.

Não posso dizer que ficamos amigos. Sei que ele ficou fascinado pelo nosso trabalho no Instituto Ciência e Fé de Curitiba, e escreveu um longo artigo no Estadão de 7 de janeiro de 2000, sobre o Icfé.

Transbordou em aplausos às linhas mestras do Instituto.

Artigo que Nogueira escreveu sobre o ICFÉ (remetido pelo Hélio)

MUITO DISCRETO

Agia sem autopromoção, embora sendo um dos concessionários da TV Globo na Região de Campinas, SP, e homem de mil e um empreendimentos comerciais.

Quem não conhecia o mestre Nogueira Neto ficou sabendo, na noite de 25, terça, pelo Jornal Nacional – e outros noticiários televisivos, e também pela web, rádio e jornais – que o morto foi mesmo alguém de uma série especial de seres humanos.

Príncipe Phillipe: premiação e protocolo

PRIMEIRO MINISTRO

Primeiro ministro do Meio Ambiente do país, no ano de 1973, então com o título de secretário nacional do Meio Ambiente, Nogueira Neto foi um ser galardoado por seus trabalhos em defesa da Natureza, com destaque para a vida das abelhas.

E pelo conjunto de sua obra-livro, conferências, pesquisas, recebeu o Prêmio Duque de Edimburgh, que lhe foi entregue em Londres pelo Príncipe Phillipe, em jantar e gala. Esse foi um dos prêmios de repercussão mundial que recebeu. Assim como, com discrição, ocupou posição dirigente na UNESCO sobre questões ambientais.

DINHEIRO VELHO

Milionário do ponto de vista material, de família paulista quatrocentona, dona de “dinheiro velho”, com múltiplos negócios em terras paulistanas, Paulo Nogueira Neto, 96, era voz acatada ainda hoje, embora vivendo, hoje, tempos mais ou menos retirados. No trato interpessoal era um gentleman na acepção da palavra.

Evaristo Eduardo de Miranda: amigo e admirador (Foto: Liana John)

NOSSO ENCONTRO

Meu primeiro encontro com o professor Paulo Nogueira ocorreu no ano 2000, que me foi apresentado por Evaristo Eduardo de Miranda, cientista, diretor da Embrapa Monitoramento Territorial, e também diretor do Instituto Ciência e Fé de Curitiba.

CIÊNCIA E FÉ

Evaristo entusiasmou o mestre Nogueira Neto, um católico muito interessado nas questões de ciência e fé, e ele acedeu em falar sobre o tema em Curitiba.

Sua conferência, aqui, foi um enorme sucesso de público, num tempo em que ainda não contávamos com a repercussão da web como temos hoje.

SEM AFETAÇÕES

Passei horas, depois, jantando e absorvendo, num restaurante da Praça do Batel, a sabedoria daquele homem simples.

Simples, sem afetações, fui descobrindo que o domínio da língua inglesa Paulo Nogueira Neto conseguira com sua preceptora, uma nobre senhora inglesa que o ajudou a se criar.

Trata-se de um marco na vida dele: a preceptora, segunda mãe, está enterrada no mesmo túmulo de sua genitora, em Campinas, explicou para dimensionar o carinho da família por aquela lady.

IMPROVISO “MILAGROSO”

Foi graças a esse domínio de berço da língua inglesa que Nogueira Neto – contou-me – se livrou de uma enorme saia justa, quando do jantar com o príncipe Phillip, ocasião em que recebeu o prêmio Duque de Edinburgh.

Aconteceu assim: tendo, por descuido, deixado as folhas datilografas escaparem para baixo da mesa, e não as podendo recolher (até para ser fiel ao protocolo), ele, com apenas uma folha na mão, improvisou o discurso de agradecimento. Para todos os efeitos, estava dentro do protocolo, que determinava a leitura do speech. Foi muito aplaudido. E ninguém percebeu que tudo fora improvisado, mas à perfeição.

HOTEL SIMPLES

Em sua vinda a Curitiba, fez questão de ficar hospedado num hotel simples, estilo IBIS. Pagou todas as suas despesas de viagem e ainda fez uma doação ao ICFÉ.

UEM, APLAUSOS

Lembro-me que ele fez observações sobre a qualidade de universidades brasileiras. Para ele, uma nota 10, com louvor, merecia a UEM, a Universidade Estadual de Maringá.

Paulo Nogueira Neto: em diversos momentos

FATO/FOTOS

Dioceses do Paraná avaliam como atuam em comunicação

Participantes do 9. Encontro Pascom Regional Sul II

Representantes da Pastoral de Comunicação de diversas arquidioceses e dioceses do Paraná participaram no final de semana, em Piraquara, do 9º Encontro dos Coordenadores da Regional Sul 2 da CNBB. O evento ocorreu na Casa Padre Reus, do Instituto Ciência e Fé, Planta Suburbana.

O encontro é feito todos os anos, para propiciar aos participantes um período de formação e uma partilha sobre o andamento e as ações desta pastoral em suas dioceses.

REFERENCIAL

Dom Antônio Wagner, bispo de Guarapuava, é atualmente o bispo referencial da Regional Sul II da Pastoral da Comunicação e presidiu os trabalhos. Ele falou sobre a necessidade de apoiar e orientar as equipes de comunicação nas paróquias. Convidou os agentes de comunicação a descobrir os exemplos bonitos de evangelização e trabalho pelo próximo existentes nas comunidades. A mostrar mais do que celebrações e eventos, mostrar a beleza das ações das pessoas que, na sua simplicidade e discrição dão excelentes exemplos de amor ao próximo e de evangelização.

INTELIGÊNCIA

Nas palestras de formação, o tema “Inteligência Espiritual” foi apresentado pelo Frei Rogério Soares, com ênfase na ação da Pastoral da Comunicação como elo de ligação entre todas as pastorais e para isso precisamos desenvolver a “inteligência espiritual” dos integrantes.

A “COACHING”

A psicóloga e coaching, Gleice Rodrigues, mostrou ao grupo, com algumas atividades práticas, como perceber individualmente o que é preciso desenvolver para aumentar o chamado “capital espiritual”. À noite foram apresentados Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) ligados a temas sobre a comunicação na Igreja.

NOVO COORDENADOR

O domingo de manhã foi reservado para reunião de trabalho, na qual foi proposto o nome de Antônio Kayser para ser o novo coordenador regional.

Kaiser aceitou e a indicação foi aprovada por Dom Wagner e pelos presentes. Foram indicados ainda, outros quatro coordenadores, um por província, para reforçar a coordenação: Coordenador: Antônio Kayser (Arquidiocese de Curitiba); Província de Curitiba: Silvana Spisila (Diocese de Ponta Grossa); Província de Maringá: Diácono Gilberto Costa dos Santos (Arquidiocese de Umuarama); Província de Londrina: Tiago Queiroz (Arquidiocese de Londrina); Província de Cascavel: Pe. Valdecir Bressani (Diocese de Palmas e Francisco Beltrão). Ainda na reunião de trabalho, o Coordenador Diocesano da Pastoral de Comunicação da Diocese de Paranaguá, Rodrigo Ernani, falou sobre o andamento das ações para a realização do 3º Mutirão Paranaense de Comunicação.

EM PARANAGUÁ

Em 2020, a Diocese de Paranaguá, com a concordância e o apoio do seu bispo, Dom Edmar Peron, está encarregada de sediar o Muticom Paranaense, entre os meses de julho e agosto.

No 9º Encontro da Pascom houve duas celebrações: Uma no sábado, presidida por Dom Antônio Wagner e outra no encerramento, domingo, presidida pelo Bispo da Diocese de São José dos Pinhais, Dom Celso Antônio Marchiori.

(noticiário enviado pela PASCOM DE PARANAGUÁ)

Rodrigo Ernani da Diocese de Paranaguá fala sobre o Muticom
Representantes das dioceses do Paraná
Na Casa Padre Reus, do Instituto Ciência e Fé, em Piraquara.

DOS LEITORES (1)

Uma nova realidade

Jair Bolsonaro: produto das redes sociais (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Senhor jornalista:

Entendo o vigor com que sua coluna/blog defende as mídias tradicionais (jornais, rádios, televisões). No entanto, não pode subestimar a importância das redes sociais, que são capazes de fazer “estragos”, como aconteceu com a vitória impressionante do então desconhecido PSL.

Admito que elas não têm o lastro e a credibilidade dos meios tradicionais de comunicação. Mas que pesam, no frigir dos ovos, isso pesam. Vide o caso de Jair Bolsonaro, grande produto da raiva nacional contra a politicagem, expressa nas redes.

MARIO BECKMANN DE SOUZA, empresário, Porto Alegre

RESPOSTAS: Indago: quem responde pelo disse-me-disse das redes sociais?

Que investigações e checagem elas fazem antes de postarem suas “notícias” e mexericos? (AMGH)


DOS LEITORES (2)

Dar voto de confiança

Ratinho Junior: sem o secretário (Foto: Rodrigo Felix Leal)

Prezado Aroldo,

O fato de o secretário de Comunicação Social do Paraná, Hudson José, não ter viajado com o governador aos Estados Unidos, não significa que Ratinho Junior esteja dando menos importância a seu assessor nem ao papel que ele exerce. Ou será que não foi isso que ficou subentendido no texto que a coluna publicou neste dia 25?

ANTONIO CAVICCIOLLO BRUM, Curitiba

RESPOSTA: O leitor fez a leitura que quis do texto puramente noticioso.

Leia o texto com cuidado e sem preconceitos. Nada a acrescentar. (AMGH)

 

 


DOS LEITORES (3)

“Generosidade sua”, diz Lechinski

Jaime Lechinski e Jaime Lerner

Caríssimo Aroldo,

Acabo de ler o que você diz de mim em sua coluna deste 26. Só o transbordamento da generosidade, tão frequente em você, pode explicar tamanhos e imerecidos elogios.

Obrigado, meu amigo. Grande abraço

JAIME LECHINSKI, secretário de Comunicação dos governos Jaime Lerner, Curitiba

 

 

 


DOS LEITORES (4)

Ainda sobre Paulo Nogueira Neto

Aroldo,

Faleceu hoje, 25, o prof. dr. Paulo Nogueira Neto, naturalista, amante da natureza, prof. da USP, criador da Secretaria de Meio Ambiente e de tantas Estações Ecológicas. Foi membro do Conselho Assessor Externo da Embrapa Territorial. Em Campinas, aos 94 anos. Um cristão exemplar.

EVARISTO EDUARDO DE MIRANDA, Campinas, SP, diretor da Embrapa Territorial

-o-o-o-o-

Paulo Nogueira Neto

Títulos de Nogueira Neto

Em adição ao material sobre Nogueira Neto, a coluna relembra:

Ao longo da carreira, o ambientalista recebeu uma série de homenagens. Entre os destaques está o Prêmio Paul Getty, láurea mundial no Campo de Conservação da Natureza, recebido com Maria Thereza Jorge Pádua em 1981.

Além disso, foi eleito duas vezes vice-presidente do programa “O homem e a biosfera (MAB)”, da Unesco, e exerceu a presidência dele na sessão de 1983.

A atuação conservacionista fez com que fosse distinguido com a Ordem de Rio Branco (do Brasil) e com a Comenda da Arca Dourada, dos Países Baixos. Já no ano de 1997, ele recebeu o Prêmio Duke of Edinburgh 1997, da WWF Internacional.

FUNDOU ADCE

Nogueira-Neto foi ainda um dos fundadores da Associação dos Dirigentes Cristãos de Empresa (ADCE), vice-presidente da WWF Brasil e atuou no Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), no Conselho do Meio Ambiente (Cades) da Prefeitura de São Paulo, no Conselho de Administração da Companhia Ambiental do estado (Cetesb).

‘BEE RESEARCH’

O ambientalista também foi vice-presidente do International Bee Research Association e membro do Advisory Group do PP-G7.


OPINIÃO DE VALOR

A Transformação do Mundo

Antenor Demeterco Junior (*)

A atriz Isabelle Drummond desempenha um papel social notável: alimenta diariamente 80 moradores de rua.

Isabelle Drummond: distribuindo bondades; Leão XIII: marco na História

E costuma indagar a si própria “como posso transformar o mundo?” (este questionamento foi publicado na imprensa no corrente mês).

A mesma pergunta já foi objeto de análise através dos séculos por parte de líderes religiosos, filósofos e políticos com atuação histórica e uma resposta válida nunca foi encontrada, para infelicidade do Gênero Humano.

A transformação do ser humano parece ser impossível.

NOTÍCIAS DO ALÉM

Os crentes sempre se empenharam pela vida maravilhosa no além, compensatória das agruras terrenas, da qual ninguém mandou notícias confiáveis até hoje.

Os descrentes, alguns munidos de falsas leis que dão a História um trajeto linear do tipo ferrovia, apesar dos circuitos dialéticos impulsionadores, acredito que um dia no futuro a vida será maravilhosa aqui embaixo.

Para eles, em momento imemorial até a instituição Estado sumirá do mapa (é inacreditável que alguém acredite nisso).

GRANDE LEÃO XIII

O grande papa Leão XIII viu antecipadamente enganação no discurso de profetas sociais de seu tempo, com suas propostas ilusórias para redução da miséria.

Em sua encíclica “Rerum Novarum” de 15 de maio de 1891 foi incisivo: “Se há quem, atribuindo-se o poder de fazê-lo, prometa ao pobre uma vida isenta de sofrimentos e de trabalhos, toda de repouso e perpétuos gozos, certamente engana o povo…”.

Onde elites foram destruídas por revoluções sanguinolentas houve mera substituição das mesmas por outras.

NADA ALÉM DO SONHO

A sociedade sem classes nunca passou de um sonho de doidos.

Nomenclaturas predatórias pulularam, ou ainda pululam, em regimes coletivistas que ainda sobrevivem em alguns países.

Quando saem do palco da História deixam geralmente os seus países em piores condições das que os encontraram.

A América Latina tem exemplos comprobatórios dessa afirmação.

Cuba após 70 anos de revolução continua produzindo exclusivamente charutos e cana-de açúcar, sendo que ninguém emigra pra lá.

“PROLETÁRIOS”

O grito “Proletários de todos os países uni-vos”, perdeu força quando o operariado passou a concluir que só empregos e colocações trazem a razoabilidade para as suas árduas existências.

Tudo indica que estamos longe de conseguir a transformação do mundo, enquanto isso, multidões batem às portas dos países ricos do hemisfério norte em busca de sobrevivência.

PAÍSES RICOS

Os trágicos dias dos desfavorecidos possivelmente seriam piores se não existissem países ricos.

Não consta que partidos políticos que se intitulam a “vanguarda” dos interesses do operariado e da pobreza tenham recebido o beneplácito dos interessados para representar seus interesses.

O totalitarismo exultante do século XX com a pretensão de reformar o ser humano e o mundo, simplesmente criou rios de sangue.

SEM PROMESSAS

A atriz Isabelle Drummond deve continuar a mudar o mundo a seu modo auxiliando excluídos, fazendo assim sua parte pela melhora do ser humano, sem promessas vãs.

A transformação global do mundo continuará sendo o sonho irrealizável de crentes e descrentes por muitos séculos e séculos.

Mas nenhum sonho é proibido para os seres humanos.

(*) ANTENOR DEMETERCO JUNIOR: advogado, desembargador aposentado do TJ-PR, especialista em História do Século 20.


AÇÕES DE GOVERNO

Paraná terá segunda ponte ligando Brasil e Paraguai

Investimento foi confirmado pelo presidente Jair Bolsonaro em Foz do Iguaçu, na posse do diretor-geral brasileiro de Itaipu. O papel estratégico da usina binacional foi destacado pelo presidente o governador em exercício Darci Piana, que também participou da solenidade.

O presidente Jair Bolsonaro e o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, com o governador em exercício Darci Piana, na posse do novo diretor-geral brasileiro da Itaipu Binacional, general Joaquim Silva e Luna. (Foto: Arnaldo Alves/ANPr)

A importância estratégica da Itaipu Binacional para o desenvolvimento do Paraná e do Brasil foi destacada pelo presidente Jair Bolsonaro e o governador em exercício Darci Piana nesta terça-feira (26), em Foz do Iguaçu, na posse do novo diretor-geral brasileiro da empresa binacional, Joaquim Silva e Luna. O presidente do Paraguai, Mário Abdo Benítez, prestigiou a solenidade em Foz do Iguaçu.

Bolsonaro confirmou a construção da segunda ponte ligando o Brasil ao Paraguai, sobre o Rio Paraná, em Foz. O investimento foi autorizado em dezembro do ano passado e a proposta é que ela seja bancada por Itaipu. “A segunda ponte sobre o rio Paraná, bem como sobre o rio Paraguai, é de fundamental importância para os nossos povos. Conte com o apoio do nosso governo para concretizarmos esse objetivo”, afirmou Bolsonaro, na solenidade.

Ele disse que a parceria entre Brasil e Paraguai, pelo Paraná, possibilitará a construção da nova ponte, novos eixos comerciais e que a nova direção da Itaipu está compromissada com o desenvolvimento econômico do país. “Esse momento tem um simbolismo de extrema importância. Atualmente, o país que não tem energia está fadado ao insucesso. Nós devemos procurar outras fontes e preservar e administrar as que temos. Vamos ter produtividade ampliada para o bem dos brasileiros e dos paraguaios”, afirmou.

REVISÃO DE ROYALTIES EM 2023

Já o presidente do Paraguai destacou a produtividade da Itaipu e o “maior empreendimento de energia elétrica do mundo”. Ele mencionou a revisão da distribuição dos royalties em 2023. “Paraguaios e brasileiros temos adiante um mesmo desafio: a revisão das bases financeiras cujo prazo de negociação é eminente. As nossas relações devem estar sustentadas por valores e princípios”, destacou.

ITAIPU BINACIONAL

Recordista em geração de energia no mundo, com mais de 2,6 bilhões de megawatts-horas (MWh) acumulados desde o início de sua produção, em 1984, a Itaipu é um exemplo bem-sucedido de integração entre dois países em âmbito jurídico, político e diplomático.


CURIOSIDADES

Você consegue ver um diabo dentro da nuvem desta obra de arte?

Pintura de Giotto di Bondone, uma das 28 cenas da vida de São Francisco de Assis, encontra-se da Basílica de Assis, Itália

Sim, o demônio está na obra, que representa a morte de São Francisco de Assis. Mas por que o maligno foi parar dentro desta nuvem?

Daniel R. Esparza | Aleteia

A historiadora de arte Chiara Frugoni passou mais de 30 anos estudando o famoso ciclo de São Francisco, obra do renomado artista florentino do século XIII, Giotto di Bondone, e seu mestre Cimabue.

O ciclo, que representa 28 cenas da vida do amado santo através de uma série e afrescos que decoram a Basílica de Assis, foi restaurado depois de sofrer danos causados por um terremoto em 1997.

Na cena que representa a morte de São Francisco, Frugoni fez uma descoberta que confirma: o diabo está, realmente, nos detalhes.

Giotto incluiu o perfil de um diabo sorridente na nuvem. É preciso olhar muito bem para enxergar a figura. Mas a historiadora diz: “É muito visível” (veja na imagem abaixo, que foi ampliada).

Nesse detalhe pode-se perceber.

Para ela, ninguém tinha observado o diabo antes porque ninguém estava procurando por ele. “Com certeza agora todo mundo vai ver”, disse a pesquisadora.

OK! TEM UM DIABO NA NUVEM. MAS POR QUÊ?

Uma possível explicação foi dada pelo padre Enzo Fortunado, um sacerdote franciscano. Em artigo compartilhado pela CBS, ele diz que algumas tradições medievais poderiam estar em jogo na obra.

Para ele, na época medieval acreditava-se comumente que, no momento da morte, dois personagens entravam em ação: o anjo da guarda, que acompanha a alma ao céu (se ela for para lá, é claro!), e o demônio, encarregado de acusar o defunto para tentar arrastá-lo para o inferno.

Mas está é só uma explicação possível para a aparição da figura demoníaca na cena. O motivo de ela estar dentro de uma nuvem ainda precisa ser investigado.