Recepção do Juma Amazon: lodge tem sete hectares de mata

O Juma Amazon Lodge, localizado dentro da Floresta Amazônica, em área de sete mil hectares, a três horas de Manaus, se apresenta como uma das opções de hospedagem para quem pretende viajar à Amazônia brasileira, eleita uma das 10 melhores regiões do mundo para visitar em 2020, segundo lista divulgada há dias pela editora de guias de viagem Lonely Planet. O lodge é composto por 19 bangalôs construídos sobre palafitas, a mais de 15 metros de altura, com varanda e rede, às margens do rio Juma, e uma vista privilegiada da área preservada da floresta.
O destino tem cerca de 3,3 milhões de km² de selva densa, repleta de biodiversidade, habitat dos mais raros animais e plantas do planeta, bem como de comunidades ribeirinhas e indígenas. E está em absoluta evidência no momento, principalmente devido à devastação que tem sofrido.
De acordo com a Lonely Planet, viagens pensadas e bem planejadas para lá apoiarão os esforços do turismo sustentável, ao mesmo tempo em que beneficiarão a economia local e destacarão a necessidade de preservação. Um dos destaques desta experiência é o restaurante especializado na culinária local, de forte influência indígena. Dos rios regionais, saem peixes como pirarucu, tambaqui e surubim.
Para conhecer melhor a mata, os visitantes circulam com guias especializados em diferentes passeios. Já para relaxar, vale passar a tarde na piscina (com água do rio), na choupana ou no redário. O Juma Amazon Lodge tem diretrizes de preocupação ambiental, faz uso de energia solar e conta com programa de reciclagem.

Encontro nacional debate Tropeirismo

“A cultura tropeira em Urupema, Serra Catarinense e no Brasil” será o tema geral do II Enat/Encontro Nacional de Tropeirismo de Urupema (SC), de 27 a 30 de novembro, numa iniciativa do Núcleo de Amigos da Terra e Água (Nata) e com apoios público e privado. O evento é gratuito e aberto ao público em geral, especialmente a universidades, agentes e instituições culturais, técnicos, historiadores, tradicionalista, pesquisadores e adeptos dos estudos do Tropeirismo de todo o Brasil e Cone Sul. Em paralelo, será realizado o I Chasque Patrimonial de Urupema e Serra Catarinense. Urupema é considerada a cidade mais fria do Brasil.
O II Enat abre com duas palestras, a partir das 8h30, na quarta-feira 27, no Colégio Estadual Manoel Pereira de Medeiros: “Passado, Presente, o que observamos? Um olhar sobre a arqueologia brasileira”, pela mestra em Antropologia Socia e Arqueologia aplicada Ângela Aparecida de Oliveira Gomes, e “Projetos pedagógicos e aspectos metodológicos”, pelo biólogo e mestre em Botânica Valter Fraga Nunes.
A abertura oficial do evento será dia 28, Às 9h, no câmpus Urupema do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Seguem-se os painéis Urupema e seus valores locais, Prosas pelos caminhos históricos do Tropeirismo, Tropeirismo, turismo e atividades afins, Legados do Tropeirismo no Brasil, cada um com uma série de desdobramentos.
O II Enat, que terá também brincadeiras, cavalgada, caminhada, atividades culturais e missa crioula na praça, programa, ao seu final, a elaboração da Carta Tropeiro Brasil de Urupema e encerramento do projeto Tropeiro Brasil, cujo arquivo final será enviado ao Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), em busca do reconhecimento e titulação do Tropeirismo ou legados do Tropeirismo como Patrimônio Imaterial Brasileiro.