O Aeroporto Internacional de Hong Kong foi reaberto, mas centenas de voos acabaram sendo cancelados na terça-feira.

Considerado um dos grandes centros de conexão regional, o aeroporto suspendeu as operações na segunda-feira à tarde por causa de protestos sentados. Mais de 170 voos foram cancelados em decorrência disso.

Muitos manifestantes deixaram o local, mas dezenas permanecem no saguão de chegada exibindo placas.

Segundo as autoridades do aeroporto, os voos foram retomados antes das 7h, hora local. No entanto, elas dizem que mais de 300 voos acabaram sendo cancelados devido à falta de aeronaves e outros problemas.

Cidadãos de Hong Kong protestam contra um projeto de lei que prevê a extradição de suspeitos de crimes para a China continental para serem julgados. Já os protestos sentados ocorreram para denunciar a violência policial contra os manifestantes.

A chefe-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, criticou os manifestantes por prejudicarem as operações do aeroporto e pediu pelo fim de protestos violentos.

Na terça-feira de manhã, Lam declarou em uma coletiva de imprensa que a sociedade de Hong Kong corre o risco de enfrentar uma situação de perigo, caso o Estado de direito não seja restaurado.

No entanto, manifestantes convocam manifestações adicionais no aeroporto, criticando as tentativas do governo e da polícia de reprimir suas atividades.

Com NHK