mat3b O vidro está presente na arquitetura de interiores em diversos formatos e lugares, por exemplo, em pastilhas, portas de armários e closets, peças de decoração, espelhos, etc. No entanto, a utilização desse material como revestimento de paredes é novidade e funciona muito bem em ambientes como cozinhas, devido à facilidade de limpeza, do isolamento térmico e da resistência da placa instalada sem emendas.

As profissionais da EFTM Arquitetura aplicaram o vidro na parede de uma cozinha projetada para um apartamento em Curitiba-PR. O vidro branco substituiu as pastilhas em frente à bancada da pia e do cooktop. “Como o local está em uma área úmida, o espelho não era indicado, as pastilhas também não eram a melhor opção porque os rejuntes acumulam resíduos. Isso não acontece no caso da chapa de vidro, que ainda tem a leveza e o brilho natural, refletindo a luminosidade e trazendo a sensação de amplitude para o espaço reduzido”, comenta a arquiteta da EFTM, Erika Fukunishi.

Os mais indicados para locais próximos ao fogão são os vidros temperados submetidos a testes de resistência ao calor, os aramados ou vidros laminados compostos por várias lâminas intercaladas com material químico transparente e rígido. Além da facilidade de limpeza e da luminosidade, as placas de vidro possuem vantagens como o bom custo-benefício, a variedade de cores e estilos, a rapidez de instalação, o isolamento térmico e acústico, a resistência à abrasão, à umidade, as infiltrações, ao desbotamento pela ação do sol e da chuva.

Na hora da instalação, as arquitetas da EFTM apontam alguns cuidados que precisam ser tomados. Para projetar a aplicação de vidro, primeiro deve-se saber onde ele será aplicado para identificar qual a melhor fixação. Não se aconselha utilizar argamassa para assentar os vidros, são preferíveis as fitas adesivas específicas para este material. Para pisos, recomenda-se projetos que o desenho do vidro fique fora do ponto de abrasão. “Paredes com tinta descascando, concreto com infiltração, pinturas antigas ou de má qualidade e outras situações que prejudiquem a colagem devem ser corrigidas antes de se fazer a instalação. A superfície que vai receber o vidro deve, pelo menos, estar rebocada, com a massa aplicada e pintada com tinta látex ou acrílica, assim como a superfície do vidro deve estar limpa”, explica Fukunishi.

No mesmo ambiente, o material ainda foi instalado nas portas basculantes logo acima do cooktop e da pia, pela facilidade da limpeza, e na divisória entre lavanderia e cozinha, para delimitar os espaços e permitir a passagem da luz natural. “Existem no mercado bancadas de vidro, até com a cuba embutida, mas necessitam de mais cuidados do que as paredes do mesmo material”, exemplifica a arquiteta da EFTM, Thalita Miyawaki. Segundo as profissionais, a tendência para este ano é a utilização dos vidros bronze e titanium com a impressão a laser e com verniz fosco, para criar um efeito escovado em áreas de parede e principalmente em portas dos armários das cozinhas.