Sanepar investiu R$ 4 bi em obras nos últimos 6 anos

Os índices de atendimento com coleta e tratamento de esgoto doméstico deram um salto significativo de 48% para 71%, crescimento de mais de 20%

Este ano, faz 10 anos que entrou em vigor a Lei Federal nº 11.445, a lei do saneamento. Neste período, a Sanepar investiu mais de R$ 5 bilhões em obras para os sistemas de água e de coleta e tratamento de esgoto. Somente nos últimos 6 anos o investimento chegou à cifra de R$ 4 bilhões.
Com a aplicação destes recursos no Paraná, na última década, os índices de atendimento com coleta e tratamento de esgoto doméstico deram um salto significativo de 48% para 71%, crescimento de mais de 20%. A cobertura com água tratada, que era de 98% em dezembro de 2006, foi universalizada e se mantém em 100% para a população urbana.
“Esta evolução garante ao Paraná posição de destaque, pois nossos índices estão muito acima da média nacional”, explica o presidente da Sanepar, Mounir Chaowiche.
A Lei do Saneamento foi publicada em 5 de janeiro de 2007. É o marco regulatório para a prestação dos serviços de água tratada, coleta e tratamento de esgoto, coleta e destinação dos resíduos sólidos urbanos (lixo doméstico) e drenagem urbana. Estes serviços são de responsabilidade das prefeituras que, por meio de contrato de programa, podem delegar a prestação das atividades para empresas públicas ou privadas.
O grande destaque, no Paraná, é a prestação dos serviços de esgoto. No encerramento do exercício de 2016, 71% dos domicílios urbanos já tinham o esgoto coletado e tratado. Com 33 mil quilômetros de rede coletora, 239 estações de tratamento e 1.953.484 ligações conectadas à rede. “A Sanepar caminha rapidamente para a universalização do serviço, conforme compromisso assumido com as prefeituras que já assinaram os contratos de programa, previstos na Lei”, afirma Mounir.
Atualmente, a Sanepar atende 345 municípios no Paraná e, ainda, o município catarinense de Porto União. Segundo o Relatório de Administração da Empresa, em dezembro de 2006 eram abastecidas com água tratada 8,3 milhões de pessoas, ou 98% dos moradores das cidades atendidas. Ao longo dos últimos anos, a Sanepar passou a atender com água tratada 100% da população urbana. A universalização deste serviço vem sendo mantida.
“São 3,7 milhões de famílias, pontos de comércio, indústria, escolas, hospitais e outros estabelecimentos que recebem água da melhor qualidade. Nosso produto está disponível 24 horas, promovendo a saúde dos paranaenses”, enfatiza Mounir Chaowiche.

INVESTIMENTOS – A Sanepar, lembra Chaowiche, é uma das companhias de saneamento mais sólidas do Brasil. “Apesar das dificuldades e das crises econômicas que restringiram o volume de recursos disponíveis, a empresa mantém a constância de novas obras para os sistemas de água e de esgoto, que se refletem na maior oferta de serviços”. Nos últimos 10 anos (2007 a 2016) os investimentos realizados pela Sanepar totalizam R$ 5 bilhões, 419 milhões e 800 mil.
Segundo Mounir, a Lei do Saneamento contribuiu para impulsionar a aplicação de recursos, fazendo frente ao desafio da universalização do saneamento. “Diferentemente do Paraná, nem todos os estados conseguiram alavancar seus investimentos.”

ÍNDICE NACIONAL
Os índices nacionais de saneamento ainda estão longe de alcançar a universalização. De acordo com a última PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 85% dos domicílios urbanos recebem água tratada. Quanto ao serviço de esgoto, informações do Ministério das Cidades indicam que na média nacional, somente 49% do esgoto é coletado e deste volume apenas 40% recebe tratamento.

“Apesar de sua irrefutável importância, infelizmente o saneamento é um dos segmentos mais atrasados da infraestrutura brasileira. Em uma escala de desenvolvimento e competitividade, o saneamento só ganha do segmento dos portos, perdendo para rodovias, ferrovias, aeroportos, energia e telecomunicações”, ressalta o presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes), Roberval Tavares de Souza.

O Brasil precisa urgentemente tornar o saneamento prioridade. Segundo Roberval, o saneamento deve ser prioridade de Estado e não de governo. Ele lembra que 10 anos depois os indicadores monitorados apontam que grande contingente de brasileiros ainda não têm acesso aos serviços essenciais do saneamento, principalmente à agua tratada e à coleta e tratamento do esgoto doméstico.

Leia Também: