Museus dizem o indizível

Acontece a 15ª Semana de Museus, até domingo 21, em comemoração ao Dia Internacional de Museus (nesta quinta 18), com o tema Museus e Histórias Controversas: Dizer o Indizível. O MON-Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, vai vivenciar o tema através de Efigênia Rolim, a Rainha do Papel de Bala. Nesta edição, o Instituto Brasileiro de Museus conseguiu adesão de 1070 unidades em 485 cidades de todo o país. Da primeira vez, em 2003, teve apenas 57 participantes.
O MON, com entrada grátis nesta quarta das 11 às 18h, oferece, das 11 às 15h, o workshop Ver o Som, que une desenho e colagem com a música. E, no domingo, duas oficinas: Uma história enrolada, das 13 às 17h, e Encontrei o Meu Tesouro no Lixo Reciclado, às 15h, baseada na obra da artista arteira Efigênia Rolim, de 85 anos.
Efigênia têm casa-ateliê nas Vilas Oficinas, em Curitiba. E, apesar da idade e de constantes idas para o hospital, produz com surpreendente constância. Foi selecionada para a 66ª edição do Salão Paranaense, que abre em junho no MON, é destaque na 30ª Bienal de Arte Naif de Piracicaba, que acontece em São Paulo, e será incluída no currículo de artes visuais dos 15 mil alunos das escolas paulistas do Grupo Objetivo.
A 15ª Semana também tem programação no MIS, com a mostra Gilda, Sem Limites, com fotos de Carlos Macaxeira Aguiar e Alberto Baiano Melo Viana, que retratam o popular travesti curitibano, imortalizado também no curta-metragem Beijo na boca maldita, de Yanko Del Pino. Já o Museu Paranaense, nesta quarta das 14 às 16h, sedia a mesa-redonda sobre a invisibilidade da cultura negra em seu acervo e, em seguida, uma visita ao Centro Histórico prossegue a autocrítica. No Museu Alfredo Andersen, às 18h, abertura da mostra As múltiplas faces de Ana. A musa, retratada também como europeia, foi esposa do pintor e tinha sangue guarani.
O Museu de Arqueologia e Etnologia, por sua vez, promove na UFPR da Praça Santos Andrade, nesta quarta das 14 às 18h, a mesa-redonda Lutas Indígenas, com Claudemir e Dival da Silva ( Xetá), Ilda Wankyly Kuitá (Kaingang) e Rivelino Gabriel de Castro (Guarani). Na, quinta, às 14h, exibição do documentário As lutas de vida e morte no Mato Grosso do Sul – Depoimento do cacique Lindomar Terena, seguindo-se a palestra de Marcelo Zelic (Tortura Nunca Mais). Entrada gratuita para todos interessados. E o Museu do Expedicionário agenda, nesta quarta, a palestra A mulher brasileira na II Guerra Mundial, na sexta, das 15h30 às 16h30.

Leia Também: