Para a Miss Brasil Mayra Dias usar na passarela do Miss Universo 2018, Helerson da Maia, que veste brincantes da festa do Boi de Parintins, criou um figurino com recursos tecnológicos. O certame será em Bangkok, dia 16 deste mês. Como se sabe, no traje de gala, o luxo do vestido feito pela grife Fabiana Milazzo. E anuncia-se agora: no traje típico, efeitos especiais.

Com recursos cada vez mais mirabolantes, os trajes típicos são um show a parte no desfile das misses. Mayra Dias, nascida em Itacoatiara no Amazonas, irá usar um traje que simboliza todas as etnias indígenas.

No primeiro momento, surge como índia, em seguida ela mesma aciona um controle remoto, transformando o traje em um beija-flor. “Após acionado o mecanismo surgem simultaneamente uma asa se abrindo e em seguida batendo, com uma cabeça de beija-flor formando uma ave completa com movimentos. A intenção é que os expectadores assistam uma índia se transformar em um pássaro”, adianta Helerson, lembrando que o beija-flor tem ocorrência em todo o território brasileiro.

Sobre o traje, diz ele,”é a representação de uma índia que carrega em sua indumentária, pinturas e plumagem de todas as etnias brasileiras. Uma entidade que reúne todas as representações de nossos ancestrais e seus legados para que os remanescentes tenham força e sabedoria para lutarem  pela própria sobrevivência hoje”.

Ele observa ainda que o traje traz elementos das duas principais festas culturais do Brasil –  Boi-Bumbá e  Carnaval. E descreve: A roupa indígena é feita materiais que se assemelham com os que usamos no Norte, no festival folclórico de Parintins (penas, miçangas, pedrarias, fios e linhas). Na segunda parte, a confecção assemelha-se aos figurinos do carnaval do Rio de Janeiro – com mais brilhos e cristais.