Os arquitetos Leonardo Gazzalle e Karine Muller estreiam na CASACOR Paraná com o Jardim de Inverno, de 14,42m², demonstrando o rústico sofisticado, destacando toques de elementos naturais e simples, com demais elementos em ar de luxo e polidez.

Para isso eles usaram aço corten para móvel de interior, com a colocação de vegetação inteligente que purificam o ar e sistema de super aproveitamento de espaços com técnicas sustentáveis, além de materiais e objetos que foram produzidos com responsabilidade ambiental.

Entre os principais diferenciais do projeto estão as madeiras reaproveitadas, manufaturadas artesanalmente no banco central e nos caibros do pergolado. Além disso, incluíram peças cerâmicas feitas manualmente em comunidades asiáticas, compondo com plantas que se relacionam diretamente com funções específicas e que contam com sistema de irrigação natural passiva. Aproveitando o espaço eles usaram chapas em MDF que foram produzidas com reflorestamento e sem uso de substâncias agressivas à natureza, combinadas com a composição de estruturas metálicas feitas com aço reciclável e pintura neutra à base d’água.

No ambiente eles apostaram no uso de objetos que vieram de descartes e que foram tratados artesanalmente, por mãos que fizeram mágica para dar nova vida às peças expostas. O jardim de inverno foi inteiramente pensado para as pessoas que circularão pela mostra. Todos os elementos foram colocados no cômodo e pensados para oferecer a contemplação e o uso funcional dos objetos, já que eles não obstruem e não impedem os fluxos de uso e ocupação da área.

O Jardim de Inverno tem por conceito fazer com o usuário sinta-se confortável e agraciado com o momento de relaxamento que poderão usufruir do local, com um lugar para sentar, observar e descansar. O uso de iluminação com baixo consumo (LED), materiais recicláveis e produtos que, além de não agredir visual e as pessoas que circularão pelo ambiente, eles ainda protegem a natureza.

O ambiente mostra como dos locais pequenos é possível extrair o máximo de aproveitamento, com sofisticação, resgatando materiais rústicos. Nele também estão objetos criteriosamente dispostos contribuindo para que as pessoas tenham contato direto com a natureza.

Entre os objetos de maior destaque do espaço estão o banco de aço corten, que fica no centro, e foi produzido de maneira artesanal e alta densidade. Por ser um tipo de metal, que não é costume ser usado como móvel e, muito menos, para projetos de interiores, em sua composição original, design exclusivo para a mostra ele agrega valor muito superior aos das ofertadas pelo mercado. Encimado, há uma praça de madeira maciça e natural, que tem características rústicas, porém, recebeu acabamentos super finos e de bom gosto. Em uma das pontas do banco foi criado um nicho para acolher uma lareira ecológica pequena, pensada com a base a partir de cálculo entre o consumo de álcool ecológico, a peça toda não demanda infraestrutura especial, não gera fumaça nem resíduos de qualquer natureza.

Fotos: Eduardo Macarios