Está complicada a situação do Diretor de Administração da Paraná Previdência, Newton Rocha, no Governo do Estado. Mesmo apesar das inúmeras críticas e pedidos de servidores requerendo seu afastamento, foi mantido na transição do governo de Roberto Requião para o atual. A insatisfação chegou no gabinete da Secretária de Família e Ação Social, quando o pessoal de lá  conferiu um e-mail que o Diretor enviou a suas funcionárias, causador de imenso constrangimento na instituição. Pornograficamente, enviou de seu endereço profissional “newton@paranaprevidencia.pr.gov.br” uma mensagem tratando de “aranhas” e fazendo alusão explícita ao órgão sexual feminino para várias subordinadas.

HOUVE PRECEDENTE COM O ATOR DO FILME

Resta saber se o Governo tomará alguma atitude formal com tamanho desrespeito com as servidoras do Estado.

Há precedentes no atual Governo de punição de funcionário por motivos pornográficos:  meses atrás, um comissionado do Instituto Ambiental, lotado no Sudoeste, foi demitido porque – descobrira-se  – fizera, há anos, filmes de conteúdo pornográfico. O acusado alegou que se trata apenas de filmes eróticos.

E mais disse o moço em sua defesa: que agora “é novo homem”, já que se converteu a uma denominação evangélica…

Ora, essa desculpa de conversões religiosas tem dado abrigo até a criminosos de alto coturno que, muitas com bíblia debaixo do braço, tentam impressionar jurados, juízes e mídia.

No caso do diretor do Paraná Previdência, não houve indicativos de “conversão”, de que tenha encontrado sua “estrada de Damasco”, aquela que justificou a grande mudança na vida de São Paulo, o apóstolo dos gentíos.

MOSTRA REVELA AS PRIMEIRAS OBRAS DO MUSEU OSCAR NIEMEYER

Espaço Nulo de João Osório Brzezinski

O Museu Oscar Niemeyer (MON) inaugura no sábado, dia 18 de junho, a exposição “MAP: o início do acervo MON”, com 120 obras selecionadas da coleção do antigo Museu de Arte do Paraná (MAP) – conteúdo que deu origem ao primeiro acervo do MON. De tridimensionais a pinturas, de gravuras a desenhos, o público vai ter acesso a um recorte do que há de mais expressivo na produção de artistas visuais que viveram no Paraná.

Michaud, João Turin, Hermann Schiefelbein, Theodoro De Bona, Freyesleben, Erbo Stenzel, Fernando Velloso, João Osório Brzezinski, Eugênio Sigaud e Helena Wong são alguns dentre os muitos que estarão expostos na sala Pancetti.

Começo de Tempestade de Guilherme Willian Michaud

 

/

/

/

O curador da exposição, Ennio Marques Ferreira, explica que o MAP foi criado no dia 18 de março de 1987 e instalado num casarão de três andares na Praça Professor João Cândido, no Alto São Francisco, onde atualmente funciona o Museu Paranaense.

“O MAP surgiu para reunir obras que pertenciam ao patrimônio do governo e estavam espalhadas em gabinetes e outros espaços administrativos. Esse acervo, desde o início, aglutinou obras expressivas, tanto de estrangeiros que aqui fixaram residência, como dos nascidos no Paraná e que aqui realizaram as suas manifestações”, afirma.

Guerreiro de Jeferson Cesar

A diretora do MON, Estela Sandrini, observa que o surgimento do MAP foi um momento raro, no qual artistas e críticos deram as mãos para tornar possível a criação de um espaço expositivo.

“Essa exposição tende a despertar muitas emoções. Para os que        vivenciaram o MAP, será um reencontro com um período fascinante, bonito    e inesquecível. Já para os mais novos, será uma redescoberta da produção    de visuais que aconteceu no Paraná”, comenta.

João Osório Brzezinski

 

Durante a abertura da exposição, no dia 18 de junho, às 11h, a diretora do MON, Estela Sandrini, e o historiador Ricardo Freire farão uma visita guiada contextualizando a mostra, as obras e os artistas.

Neste dia, a entrada é franca até às 13h.

Ajuda bem-vinda

A quantia de R$ 13.600,00 foi o resultado da apresentação benemerente da Orquestra Sinfônica da Schlaraffia (Alemanha), 
em Curitiba, no final de abril.

Este valor foi rateado entre duas entidades: a Fundação Internacional do Rotary Clube, responsável pela campanha de erradicação da poliomelite no mundo, e a AMIG – Associação Pró-Memória da Imigração Germânica, no Paraná.

/

Na foto o empresário Hans Gerhard Schorer (centro), promotor do evento, fez a entrega dos cheques para os representantes das instituições, Jorge Sanchez, do Rotary (esquerda), e  Ekkehart  Tamussino (direita), da AMIG,  durante almoço festivo na sede do Rotary Club de Curitiba Cidade Industrial, na última segunda-feira, dia 13.

 

 

Esta coluna é publicada diariamente no jornal Indústria&Comércio.

Para acessar a coluna diretamente, basta acessar

http://www.icnews.com.br/editoria/colunistas/aroldo-mura