Com um futebol envolvente, com toque de bola, passes rápidos e um contra-ataque eficaz, o Atlético repetiu o placar do primeiro jogo (2 x 0) e eliminou o Fluminense, garantindo a vaga na final da Copa Sul-Americana.

A partida foi disputada no Maracanã e o Tricolor Carioca precisava vencer por, no mínimo, dois gols de diferença. A estratégia do time, comandado por Marcelo Oliveira, foi sair para o ataque. Mas a decisão foi errada, pois partindo para o ataque, a equipe cedia muitos espaços para o Furacão, que aproveitou e, com seis minutos de partida, abriu o placar.

Esse gol foi o suficiente para animar ainda mais a torcida do Atlético, que já estava confiante antes da bola começar a rolar. O Fluminense, que não marcava gols há 7 partidas, teria que colocar quatro bolas na rede da equipe paranaense.

Mas o Rubro-Negro tem um time forte no ataque e seguro na defesa. A dupla de zaga, Léo Pereira e Thiago Heleno, foi firme e não deixou os cariocas atacarem com perigo. O goleiro Santos não fez mais do que duas ou três defesas durante o jogo.

No segundo tempo, bastaria o Atlético administrar a vantagem, mas não foi isso que a equipe do técnico Tiago Nunes fez. Os jogadores do Furacão mantiveram o ritmo e ampliaram o marcador com um gol de Bruno Guimarães.

A missão ficou ainda mais ingrata para o Fluminense, que precisaria marcar cinco gols para avançar até a final. Ainda com risco de rebaixamento no Brasileirão, os cariocas diminuíram o ritmo, pensando no confronto do final de semana. Foi uma sábia decisão, pois se saíssem para cima, o Furacão, certamente, iria sair com um placar ainda mais expressivo do Maracanã.

Embora a torcida já comemorasse, foi preciso esperar o apito final do árbitro para que o Atlético confirmasse a passagem para a final da Copa Sul-Americana, a segunda em competições continentais. A primeira partida será na Colômbia e a volta será na Arena da Baixada. Com um time leve, misturando a experiência de jogadores como Lucho González e Jonathan, com a juventude, o Furacão tem tudo para levantar o primeiro caneco continental de sua história. Que ninguém duvide do Atlético!

O campeão Palmeiras e a volta por cima de Felipão

Demorou um pouco mais do que se imaginava, mas o Palmeiras conseguiu, finalmente, ganhar o título de Campeão Brasileiro em 2018. Com a campanha irretocável no returno, o Alviverde paulista deslanchou, engoliu os adversários e mostrou que, afinal de contas, não estava para brincadeira.

Mesmo com a taça do Campeonato Brasileiro chegando apenas na penúltima rodada, fazia, ao menos, umas 6 rodadas que a torcida do Palmeiras ensaiava o grito de campeão. A distância para os dois principais adversários (Flamengo e Internacional) teimava em se manter. Quando eles tropeçavam, também vinha um resultado inesperado para o Porco, como, por exemplo, no empate contra o já rebaixado Paraná Clube, em Londrina.

O próximo ano será importantíssimo para o Alviverde, pois com a nova era vitoriosa dentro do Brasil, a torcida, com certeza, irá cobrar títulos internacionais. Mas com um time aguerrido e, possivelmente, reforçado, o Palmeiras deve ser uma das forças da próxima Libertadores da América.

Mas o título do Campeonato Brasileiro também ajudou no resgate de um personagem importante do futebol brasileiro: o técnico Luiz Felipe Scolari, o Felipão.

Consagrado e reconhecido no mundo inteiro, Felipão estava em baixa no Brasil, principalmente após o 7 x 1 da Copa de 2014. O treinador até teve uma passagem pelo Grêmio, logo após a Copa no Brasil, mas sem grande destaque. Algum tempo após sair do Grêmio, Felipão foi para a China, onde treinou o Guanghzou Evergrande. No país asiático ele voltou a ganhar títulos. Foram 7 taças em pouco mais de 2 anos, quando resolveu deixar o comando do time e voltar para o Brasil, no fim de 2017.

Por aqui não despertou muito interesse dos grandes clubes, muitos considerando o treinador já ultrapassado. Mas o quadro mudou e o Palmeiras foi atrás dele.

Foi um acerto gigantesco! Felipão deu uma alma vencedora ao time. Em 29 jogos, foram 19 vitórias, 7 empates e apenas 3 derrotas, tendo um aproveitamento de 73%. Sem contar que Felipão ainda se tornou o técnico mais velho a conquistar o Brasileiro, com 70 anos, desbancando Antonio Lopes, que tinha 64 anos quando ganhou, com o Corinthians, em 2005.

Parabéns ao Felipão, ele merece! Parabéns ao Palmeiras, pela conquista do título e pela volta do consagrado treinador!